Convênio para construção de reator nuclear no país

O Ministério da Saúde assinou na manhã do dia 27 de Março um convênio de R$ 750 milhões para as obras do Reator Multipropósito Brasileiro (RMB), com previsão de conclusão em 2022. O RMB será construído em ARAMAR, centro experimental da Marinha, no interior de São Paulo. Com a conclusão do reator, o Brasil terá autonomia na produção de radioisótopos e ampliará a capacidade nacional em pesquisas de técnicas nucleares. O projeto é coordenado pela Comissão Nacional de Energia Nuclear (CNEN) e se situa ao lado de onde está sendo desenvolvido o protótipo do submarino nuclear brasileiro.

Os radiofármacos são utilizados em medicina nuclear para diagnósticos e tratamento de alguns tipos de câncer e outras doenças. Atualmente, o país importa radioisótopos, matéria-prima essencial para a produção dos radiofármacos. Estima-se que o RMB suprirá o gasto de US$ 15 milhões, além de possibilitar a duplicação da quantidade de radiofármacos oferecidos à sociedade.

Dados da Sociedade Brasileira de Medicina Nuclear (SBMN):

Número de cintilografias realizadas: estima-se um crescimento de 27,5% em cinco anos e, para 2032, a avanço projetado será de mais de 200%, totalizando 4,6 milhões de procedimentos.

Número de PET-CTs realizados: crescimento de 27% em cinco anos e um total de 266.739 procedimentos em 2032, representando crescimento de 175% comparado a hoje.

Número de terapias com Medicina Nuclear: aumento de 27% na primeira fase e crescimento total 87%, somando 38 mil procedimentos em 2032.

Número de pessoas empregadas direta e indiretamente: aumento de 28% na primeira fase e crescimento final de 198%, totalizando 14.336 empregos em 2032.

Faturamento do setor: Meta final de faturar R$ 2,5 milhões em 2032, representando um aumento de quase 200%.

Compartilhar